trabalhar-como-freelancer

Por que trabalhar como freelancer e por onde começar

As mudanças cada vez mais rápidas nas formas de trabalho têm incentivado as pessoas a buscar cada vez mais fugir de rotinas engessadas: são novas formas de trabalho, novas possibilidades e espaços compartilhados influenciando na forma como as pessoas encaram seu emprego.
Uma das opções para quem quer fugir do “segunda a sexta” e “8h por dia” é encontrar projetos legais e se trabalhar como freelancer. Mas como se lançar nesse mercado? Por onde começar?

Por que escolher trabalhar como freelancer?

Os números não mentem: cada vez mais gente escolhe ser freelancer. Segundo a pesquisa feita pelo trampos.co com 1.126 profissionais brasileiros, 51% deles trabalham como freelancers em tempo integral. Mas o que atrai tanto as pessoas para esse formato? Entre os motivos listados pela pesquisa, estão:

• Aumentar a renda, quando o trabalho no escritório ou empresa já não supre as necessidades e você precisa encontrar novas formas de conseguir uma graninha fazendo algo que gosta e traz resultado;

• Flexibilidade, já que você pode fazer seus horários e não precisa se adequar às regras de uma empresa;

• Liberdade, tanto pelos horários flexíveis quanto pela possibilidade de trabalhar sem um dress code ou poder organizar sua pauta e obrigações por conta própria;

• Novas oportunidades, como o networking, possibilidade de mostrar a cara no mercado e clientes que podem vir de diferentes lugares e indicações – você vai poder trabalhar com marcas, rostos e experiências novas, não só com os mesmos processos de uma empresa que tem clientes fixos.

• Equilíbrio pessoal e profissional, que vem da flexibilidade, liberdade e da possibilidade de organizar seu trabalho de acordo com a sua rotina e vida, não o contrário.

Por onde começar?

Não basta, simplesmente, sentar na frente do computador e dizer para as pessoas que você está trabalhando como freelancer. Claro, contar o que está fazendo e o que oferece é essencial para que as pessoas conheçam você e procurem o seu serviço, mas primeiro você precisa pensar em:

• Como vou estruturar o meu trabalho? Coloque no papel quanto tempo você vai dedicar ao seu trabalho. Tudo bem ter um horário flexível e fazer diferente a cada dia: trabalhar nas terças de manhã ou fazer um intensivo em um dia e relaxar ou resolver outras pendências em outro. Mas é importante que, mesmo fazendo as coisas do seu jeito, você se mantenha organizado e encontre a melhor forma de ser produtivo.

• Entender a concorrência. A possibilidade de que já exista alguém realizando o mesmo serviço que você é bem grande. Descubra quais são essas empresas ou pessoas e mostre os seus diferenciais.

• Entender os seus clientes. Você vai atender empresas? Pessoas físicas? Um segmento específico? Diferentes áreas e setores? Ter isso bem planejado ajuda você a organizar seu trabalho e apresentá-lo de um jeito mais profissional para possíveis clientes (quer saber como apresentar seu projeto, serviço ou ideia de negócio? Dá uma olhada nesse post sobre Pitch Sale!).

• Como e onde divulgar. Depois de conhecer o cliente, você vai entender quais são os caminhos para chegar até eles. Aí, você vai poder escolher sobre o cadastro de portfolio em sites, divulgação nas redes sociais, contatos entre amigos e empresas ou indicações de outros profissionais e parceiros.

Ser freelancer, por mais flexível e pessoal que seja, ainda é uma forma de trabalho. Então, trate-o como tal e defina suas prioridades e coisas nas quais deve focar.

E o local de trabalho?

Ser profissional autônomo vem se tornando uma prática cada vez mais popular e passa a abranger áreas totalmente diferentes, como tecnologia e contabilidade. Com isso, encontrar o lugar certo para trabalhar é fundamental. Na pesquisa, as principais escolhas dos freelas são:

• Em casa;
• Alocado no espaço do cliente, quando é uma empresa, agência ou estúdio que contrata os serviços por um tempo determinado;
• Locais públicos, como bibliotecas e cafés;
• No seu outro emprego fixo, quando o freela funciona como uma outra opção de renda e serviço;
• Um escritório só seu;
• E os espaços de coworking!

Escolher qual espaço usar é uma decisão muito importante na hora de começar a trabalhar como freelancer. Analise se você é uma pessoa que consegue separar os momentos profissionais das atividades rotineiras – aí, é legal trabalhar em casa. Mas, se você não quer ter que lidar com outras distrações e precisa focar inteiramente no que está fazendo, é bom pensar em outras opções.

Ah, e essa mudança nas formas de trabalho não influencia só a vida dos freelancers, não! Os escritórios convencionais e empresas já entendem a necessidade de horários de trabalho mais flexíveis, qualidade de vida e atividades de capacitação e aceleração para os funcionários encontrarem novas oportunidades e crescerem dentro e fora do trabalho. Bem legal, né? As possibilidades e hábitos da vida de quem trabalha como freelancer influenciam até quem não quer trabalhar nesse formato ou quer ideias para aplicar na sua própria empresa.

Este conteúdo faz parte do SPTF: Seu Próximo Trabalho Foda, braço da Aldeia que conecta realizadores com o mercado. Se você quer receber conteúdos como esse em sua caixa de entrada e ter prioridade nas próximas ações do SPTF, se cadastre na lista neste link!

E você? Já teve alguma experiência como freela ou trabalha nesse formato? Compartilha as suas experiências com a gente nos comentários!

Freelancer

Deixe uma resposta